© 2019 Amoena Portugal

Rodapé_Facebook.png
Rodape amoena.png
Não Há Só Um Tipo:
O Guia Amoena para o Significado de “Cancro da Mama”

“Cancro da mama” inclui muitos tipos e estágios diferentes.

O nosso guia simplificado pode ajudá-la a perceber melhor.

As palavras “cancro da mama” são usadas para descrever uma enorme variedade de cancro na zona mamária. Preparamos este guia simples sobre o modo como esses vários tipos são classificados e outros termos que pode ter ouvido relacionados com o seu diagnóstico.

O cancro de mama forma-se quando as células naquela área do corpo começam a mudar e a dividir-se anormalmente. O tipo de cancro da mama que tem e o tratamento necessário depende de uma série de fatores, como por exmplo: onde se começou a desenvolver o cancro, o tamanho do tumor, o tipo de células cancerígenas presente e se já se instalaram noutras zonas do corpo.

Cancro da mama não invasivo:

Carcinoma Ductal in situ (CDIS) é o tipo de cancro não invasivo mais comum. As células cancerígenas encontram-se alojadas dentro dos canais do leite mamário e ainda não adquiriram a capacidade de se espalharem para os tecidos envolventes. Portanto, o tratamento com cirurgia, radioterapia e terapia hormonal (tamoxifen) é habitualmente recomendada. Quase todas as mulheres diagnosticadas com este tipo de cancro são consideradas curadas, após o tratamento.

Carcinoma Lobular in Situ (CLIS) acontece quando as células cancerígenas se formam nos lóbulos no fim dos ductos mamários, onde o leite materno é fabricado. O Carcinoma Lobular está confinado aos lóbulos mamários, por isso não coloca em risco imediato a vida da paciente, nem é verdadeiramente considerado cancro. Por isso, é apenas aconselhada uma vigilância regular através de análises, mamografia e ecografia.

Cancros da mama invasivos:

A maioria de tumores diagnosticados são invasivos. Isto significa que as células cancerígenas se espalharam para o tecido mamário. Potencialmente, podem desenvolver-se para os gânglios linfáticos e o resto do corpo.

Carcinoma Ductal Invasivo é o tipo mais comum de cancro da mama invasivo (80%). As células começam a modificar-se nos canais (ductos) lácticos da mama. Também pode ser chamado de NST ou NOS que significam sem classificação de tipo específico.

 

O Carcinoma lobular invasivo acontece quando as células cancerígenas se formam nos lóbulos no fim dos ductos mamários, onde o leite materno é fabricado, e começa a invadir as células dos tecidos mamários. Pode desenvolver-se em qualquer idade mas é mais comum ser diagnosticado em mulheres entre os 45 e os 55 anos. Cerca de 12% dos cancros de mama diagnosticados são deste tipo.

Tipos menos comuns de cancro de mama:

O Cancro Inflamatório da Mama é um tipo de cancro raro que se propaga rapidamente. Revela-se por alterações do aspeto da pele e não por um “caroço”, como o cancro mais comum. A pele aparece quente, mole ao toque e com o aspeto de inflamada, por vezes até parece “casca de laranja”. Podem surgir alterações também no aspeto do mamilo. É causado pelas células cancerígenas que bloqueiam os vasos linfáticos microscópicos da pele.

A doença da mama Paget habitualmente manifesta-se como uma espécie de eczema ou erupção da pele na zona do mamilo. Pode ser um efeito secundário de outro tipo de cancro de mama invasivo.

Cancro metastático ou secundário é o cancro da mama que se espalhou (fez metástase) noutras zonas do corpo como pulmões, ossos ou cérebro. As células cancerígenas deslocam-se através da circulação sanguínea e linfática. Também considerado como cancro em estado avançado.

Outros Fatores

Antes de a sua equipa médica recomendar o melhor plano de tratamento para si, vão ter em consideração o tamanho do seu tumor, se já tem metástase noutras partes do corpo e qual a rapidez com que se desenvolve. Pode ouvir falar disto como estadiamento e grau. Também podem analisar os tipos de recetores (proteínas) nas células.

Estadiamento

O estadio refere-se à extensão do tumor na mama, nos gânglios regionais e noutros órgãos para além da zona mamária.

O estadiamento do cancro da mama pode ser classificado da seguinte forma:

  • Estadio 0 – o cancro é não invasivo, chamando-se in situ, por estar no seu sítio, ou seja, circunscrito a uma localização muito inicial;

  • Estadio 1 – o cancro tem uma dimensão inferior a 2 cm e pode haver evidência microscópica de células tumorais nos gânglios da axila do mesmo lado;

  • Estadio 2 - o cancro da mama tem uma dimensão superior a 2 cm mas mantém-se apenas a evidência microscópica de células tumorais nos gânglios da axila do mesmo lado;

  • Estadio 3 - o cancro da mama tem uma dimensão superior a 5 cm e há evidência de células tumorais de maiores dimensões, nos gânglios da axila do mesmo lado;

  • Estadio 4 - as células do cancro da mama espalharam-se para outros órgãos, chamando-se a este fenómeno metástase.

 

 

Grau

É decidido em função da análise laboratorial das células cancerígenas e está relacionado com o crescimento das mesmas.

  • Grau 1 - crescimento lento, grau baixo

  • Grau 2 - crescimento moderado, grau médio

  • Grau 3 - crescimento rápido, grau elevado

Recetores

Células diferentes contêm diferentes tipos de proteínas chamadas de recetores.

HER2 (abreviatura de Human Epidermal growth factor Receptor 2) é o nome do gene humano que cria a proteína HER2 nas células mamárias. Normalmente os recetores HER2 ajudam a controlar o crescimento, divisão e reparação das células mamárias sãs. No entanto, em certos tipos de cancro da mama, o gene HER2 duplica-se em excesso e dá origem a uma proliferação incontrolada das células. A análise do estatuto HER2 no cancro da mama permite à equipa médica determinar qual o melhor tratamento. Existem tratamentos específicos que visam os cancros HER2 positivos (HER2+)

Recetores Hormonais

São as proteínas que alojam as hormonas como o estrogénio e a progesterona. Se uma célula tem muitos recetores hormonais, ela precisa dessas hormonas para crescer. As células do cancro da mama são testadas de acordo com os seus recetores hormonais, o seu status permite determinar um tratamento hormonal direcionado e eficaz. Por exemplo, as células cancerígenas com recetores de estrogénio precisam de estrogénio para crescer, chamam-se ER+ (recetor de estrogénio positivo). Por isso, reduzir os níveis de estrogénio no corpo pode prevenir o desenvolvimento do cancro. O cancro da mama pode ser classificado como ER+ , ou como PR+ - neste caso se hormona necessária é a progesterona, ou ainda como recetor hormonal negativo na ausência total de recetor. Neste último tipo de cancro, chamado de Cancro da Mama Triplo Negativo, os tratamentos hormonais são ineficazes.

A mutação genética dos genes BRCA1 e BRCA2

Genes BRCA1 e BRCA2 são simplesmente genes humanos implicados na reparação do ADN. Ambos têm tendência, de origem hereditária, a sofrer mutações prejudiciais que aumentam o risco de cancro da mama ou dos ovários. Testes genéticos podem ajudar a determinar se possui este tipo de mutação nos seus genes.